Aula teórica sobre a teratologia

teratogenos

Nessa aula aprendemos a definir o que são teratógenos (agente externo ao genoma do concepto que induz malformações estruturais, deficiência de crescimento e/ou alterações funcionais durante o desenvolvimento pré-natal) e o que esses agentes podem causar se postos em contato com o bebê, fizemos também um apanhado sobre más formações de origem genéticas. Aprendemos que a placenta é um meio eficiente de defesa, no entanto, não tão perfeitamente quanto se pensava, o inicio dessa desconfiança se deu quando algumas mulheres grávidas que consumiam talidomida (um sedativo) tiveram seus filhos com más formações em membros, e quando foi descrito que algumas mulheres que haviam contraído o vírus da rubéola durante a gravidez tiveram filhos com danos a órgãos como olhos, coração e cérebro.

Aprendemos que os teratógenos afetam com intensidades diferentes os conceptos, dependendo do momento de desenvolvimento em que se encontram, por exemplo, no período embrionário o feto é mais sensível a agentes teratógenos, antes do décimo quarto dia, a lei do tudo ou nada se aplica, ou seja, se o concepto for exposto a algum teratógeno, ou ele é abortado espontaneamente ou nada lhe ocorre, e no período fetal o feto é menos sensível à ação de teratógenos, no entanto eles ainda podem afetá-lo e ainda afetam com mais intensidade os órgãos que estão amadurecendo.

Os teratógenos podem prejudicar o feto principalmente de quatro maneiras: Morte do concepto, malformação, retardo do crescimento intra-uterino, e deficiências funcionais; tanto por causas genéticas como ambientais.

Então a partir dessa base vamos discutir um pouco sobre as más formações comentadas em sala de aula.

Primeiramente vamos comentar alguns fatores genéticos que podem gerar más formações; poliploidia: zigoto com 3 ou mais conjuntos completos de cromossomos. Não há nenhuma característica externa, a criança apresenta uma deficiência metabólica, demora para apresentar desenvolvimento psicomotor, e geralmente morre perto de um ano de idade

A triploidia ocorre devido a polispermia ou a permanência do segundo corpo polar.

Tetraploidia: resulta da duplicação do número de cromossomos provavelmente durante a primeira divisão de clivagem. São inviáveis e abortados muito precocemente.

aneuploidia: Quando o zigoto contém o conjunto completo de cromossomos mais ou menos um ou dois cromossomos

Há apenas aneuploidia de alguns pares de cromossomos, porque os outros são inviáveis, devido ao fato de que se um cromossomo que é muito grande seja duplicado, esse fato é incompatível com a vida, porque a sua informação genética é muito grande, e seu excesso ou falta é inviável.

As síndromes existentes tem sua gravidade aumentada de acordo com o tamanho do cromossomo, ou seja a de Patau é a mais grave porque o seu cromossomo é o maior

Essas alterações genéticas podem causar diversas síndromes como a de DOWN (trissomia do cromossomo 21), a de EDWARDS (trissomia do cromossomo 18), a de TURNER (monossomia do cromossomo X), a de KLINEFELTER (trissomia do cromossomo sexual XXY), a de PATAU (trissomia do cromossomo 13), e uma trissomia parcial do cromossomo nove.

Alterações estruturais em cromossomos consistem basicamente em deleções e podem causar diversas síndromes tais como Síndrome de Cri Du Chat (síndrome do choro de gato), Síndrome de Wolf- Hirschhorn, Síndrome de Prader-Willi (cromossomo 15 com imprint genético paterno) e Síndrome de Angelman (cromossomo 15 com imprint genético materno).

Há também alterações nos genes, que são transmitidas através de gerações, essas alterações podem ser dominantes, recessivas, ligadas ao sexo ou restritas ao sexo. Alguns exemplos de síndromes que essas alterações podem trazer são as síndromes de: CROUZON, a de TREACHER COLLINS, a disostose crânio facial, a acondroplasia, e a que mais me chamou a atenção foi o xeroderma pigmentoso que consiste na alteração do DNA das células epidérmicas após exposição a raios UVA com evolução com atrofia de pele e carcinoma basicelulares e espinocelulares, resumindo uma sensibilidade extrema à raios UVA.

Aprendemos nessa aula também que os maiores agentes infecciosos que podem ter ação teratógena são os da toxoplasmose, rubéola, citomegalovírs, herpes, sífilis e o vírus da AIDS. E que as drogas com esses efeitos consistem principalmente nos antibióticos, anticonvulsionantes, antineoplásicos, tranqüilizantes, a nicotina também tem uma ação teratógena (ela, no entanto, influencia nos vasos placentários, causando uma vasoconstrição e prejudicando a circulação que nutre o bebê, o que pode gerar baixo peso ao nascer, baixa estatura, e malformações nos sistemas urinário, cardíaco), o álcool (pode causar a síndrome alcoólica fetal), drogas ilícitas (como LSD, maconha cocaína), compostos químicos (como mercúrio e chumbo), e radiação ionizante.

Também foi aprendido que cerca de 50% das malformações tem suas causas desconhecidas, o que chama muita atenção pois nota-se que é uma área que embora se tenha avançado muito, ainda há muito o que se descobrir.

Aprendemos que existem algumas maneiras de se levar uma gravidez saudável tais como:

1- Fazer pré-natal desde o início da gravidez

2- Ingerir ácido fólico regularmente, antes e durante a gestação

3- Evitar cigarro

4- Evitar álcool

5- Não tomar remédios sem prescrição médica

6- Evitar o uso de drogas ilícitas

7- Não se estressar

8- Fazer exercício físico regularmente

9- Manter uma boa nutrição e cuide do excesso de peso

10- Atualizar sua vacinação (DP dupla tipo adulto, Hepatite A e B, Rubéola e Varicela se não teve na infância).

Como achei a doença xeroderma pigmentosa a mais peculiar dentre as outras resolvi pesquisar um pouco separadamente sobre ela, trata-se de uma condição rara com herança genética aonde a pele e os tecidos se tornam sensíveis á radiação ultravioleta do sol, e uma exposição faz com que o DNA das células sofra sérios danos, que seriam reparados em uma condição normal mas que não são em uma pessoa que possua xeroderma pigmentosa, então as células sofrem mutações e podem causar diversas alterações na pele gerando bolhas e feridas horríveis, se a exposição for prolongada as pessoas podem desenvolver facilmente câncer de pele, (nesses casos o câncer acomete mais crianças antes delas completarem 5 anos). Alguns sintomas notados são: queimaduras de sol após pequena exposição, essas queimaduras não cicatrizam, aparecimento de bolhas após pequena exposição ao sol, bolhas com formatos de aranhas após exposição ao sol, fotofobia, e em casos extremos necrose da pele exposta ao sol. É interessante que o médico se mantenha informado do histórico dos pacientes para saber, por exemplo, se existe algum caso na família desse tipo de doença, assim ele pode solicitar certos tipos de testes quando a criança nasce afim de prevenir ela de futuros danos. Alguns testes que o pediatra pode solicitar é o de cultura de células da placenta e amostras de vilosidades coriônicas. O tratamento consiste basicamente em proteção contra a luz, até mesmo luz artificial pode ser danosa, caso há necessidade de exposição ao sol, é necessário que se passe protetor solar (com fator de proteção acima de 30) e que se use óculos escuros bem escuros, afim de evitar danos na retina, também é necessário que se tome uma medicação para a prevenção do câncer de pele.

( http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/001467.htm)

~ por seikienokawa em novembro 25, 2008.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: